Como todos devem saber, a vida de um gerente de projetos não é fácil. O ambiente de projetos nos dá muitos desafios, mas em mesma proporção, é muito empolgante, onde nenhum dia é igual ao outro e motivação é a energia fundamental. Sinto-me assim, renovando minha motivação a cada desafio…

Bom, hoje o assunto não é “motivação”, mas um assunto que sempre me empolga, Gerência de Risco.

Se compararmos 2 projetos, vamos considerá-los da mesma área, seja em TI, por exemplo. Um deles de grande porte e complexidade, outro, pequeno e naturalmente bem mais simples. Como um projeto grande, complexo e claro, envolvendo um grande investimento financeiro tem sucesso em sua conclusão, enquanto outro pequeno e simples, muitas vezes não consegue ser concluído com sucesso?

Sem dúvida alguma, a resposta é complexa e envolveria a análise de muitas variáveis. E seria no mínimo inconseqüente culpar uma pessoa ou uma das tantas variáveis envolvidas. Mas me sinto à vontade em citar a gerência de risco como sendo um dos fatores críticos para o sucesso.

A vida “real” é cheia de imprevistos e mudanças que acontecem independentemente de nossa vontade. Claro que fazemos nossos planos de vida, visualizamos nossos desejos e metas a serem atingidos, seja na área profissional, financeira, em família, … E assim em muitos momentos é necessário reavaliar nosso caminho, nossas metas. Na condução e execução de projetos, não é diferente.

Para trilharmos em um determinado caminho, só chegaremos ilesos em nosso destino se avaliarmos os riscos que correremos. Vamos considerar um exemplo simples: Preciso me deslocar de uma cidade A para a cidade B, onde preciso percorrer 150km em 1h. Calma, não irei entrar nos méritos da física, apenas usarei o exemplo para ilustrar nosso conhecimento.

No exemplo, caso não conheçamos a estrada, estaremos correndo vários riscos que não conhecemos, como: A estrada é muito sinuosa? Existe travessia de animais com muita freqüência? Será que meu equipamento (carro) é compatível? A estrada está em obras? Existem desvios? E muitos outros riscos que estaremos potencializando sua ocorrência com o aumento da velocidade.

Será que é possível ou viável, fazer esta viagem nestas condições?

Voltando para ao gerenciamento de projetos, como conduziremos um projeto, sem conhecer os diversos fatores que, se ocorrerem, afetarão a condução do projeto?

Vamos considerar mais uma coisa. Existem riscos negativos ou positivos. Muitos ainda têm a percepção que riscos são apenas negativos, e fica realmente mais óbvio o porquê devemos gerenciar estes riscos “negativos”. Só que um risco positivo, também conhecido como “oportunidade”, representa um evento que, se ocorrer, trará algum impacto positivo ao projeto, e deve ter a mesma atenção que as ameaças.

O sucesso, desconsiderando os demais fatores inerentes da gerência do projeto, tendo-se um bom balanceamento na identificação e tratamento de resposta aos riscos chegará naturalmente.

Claro que esta introdução sobre risco, teve a intenção apenas fazer com que os leitores reflitam sobre o assunto e não trazer conceitos e métodos para a realização efetiva da gerência de risco. Espero ter atingido o objetivo.

 Até a próxima!