Acredito que técnicas de avaliação individual de projetos não é novidade para ninguém que tenha alguma experiência na condução de projetos. Existem diversas técnicas bem difundidas, tais como: Balanced Scorecard; TIR (Taxa Interna de retorno); Payback (tempo de retorno do investimento).

Muitas empresas ainda têm dificuldades em realizar uma avaliação de um conjunto de projetos de uma carteira, de modo que se consiga rapidamente definir a prioridade de cada um deles, principalmente quando se considera os objetivos estratégicos da organização.

Não tenho a idéia de, neste artigo, mostrar todas as estratégias de priorização de projetos, mas mostrar a importância de realizar esta atividade de forma eficiente, rápida e alinhada ao planejamento estratégico do negócio que possibilite qualquer tomada de decisão em tempo hábil.

Qualquer método de priorização de projetos deverá contemplar alguns requisitos básicos, a serem considerados:

  • A lista de prioridades dos projetos deve refletir e considerar a estratégia de negócio da organização;

  • Processo de priorização flexível: O processo deve ser flexível e refletir o dinamismo das mudanças;

  • Deve ser simples e rápido, para viabilizar sua utilização com grandes quantidades de projetos e reduzir os riscos de uma tomada de decisão imprópria;

Tipicamente, as métricas para o gerenciamento de uma carteira de projetos (portfólio) agregam medidas para o atingimento dos objetivos estratégicos da organização, tais como: contribuição financeira, satisfação do usuário final e das partes envolvidas no projeto (stakeholders), perfis dos riscos e capacidade de recursos.

Normalmente as técnicas de seleção e priorização são divididas nas seguintes categorias:

  • Qualitativas: representada por informações menos refinadas e precisas, por ser uma análise mais ampla, mostrando tendências;

  • Quantitativas: Representada por informações precisas e numéricas, mostrando matematicamente através de índices ou indicadores, quais as prioridades entre os projetos que melhor satisfazem os critérios necessários usados na seleção / priorização.

Em geral, os modelos de priorização de uma carteira projetos (portfólio) são usados onde existe grande concorrência entre recursos, havendo uma decisão de como os recursos serão alocados aos projetos, de acordo com as características dos projetos, dos recursos e da organização.

Na maior parte dos casos, encontramos nas organizações uma “Demanda de recursos maior que sua disponibilidade”.